4.c) Ciência cognitiva e provas de inteligência

4.c.1. Herança biológica e caráter pré-determinado

É importante sublinhar que ter caráter hereditário não significa que este siga uma relação linear nem que se encontre pré-determinado. A combinação de genes oferece um grande leque de possibilidades.

Para todos os efeitos, basta recordar que as flores de cor rosa podem ter descendentes vermelhos, rosas e brancos nos típicos exemplos das leis de Mendel.

O quadro relativo à concordância em gêmeos idênticos e irmãos gêmeos não idênticos pode ajudar-nos a ver a diferença com maior nitidez.

Herança biológica> Caráter pré-determinado
Herança biológica e caráter pré-determinado

A comparação entre estas percentagens de concordância não só nos permite diferenciar perfeitamente entre genético e pré-determinado como também deduzir informação sobre o número de cromossomas envolvidos e o número de possíveis expressões diferentes ou caracteres.

Por exemplo, parece que o grupo sanguíneo depende de um único cromossoma enquanto a esquizofrenia dependerá de vários, talvez seis ou sete, ainda que seja difícil saber com apenas estes dados. Também para o caso da esquizofrenia a hereditariedade de pais para filhos será muito baixa apesar de ter uma concordância genética de 69%.

Não se apresenta a concordância da inteligência porque muda com os diferentes estudos. Ainda que pelos dados médios eu diria que se encontra principalmente num cromossoma.

4.c.2. Característica das habilidades intelectuais

Outro problema, como vimos, é a própria definição de inteligência. No entanto, não é tão grave como parece, que a inteligência possa estar formada por diversas faculdades elementares mais ou menos independentes não significa que não possam ser hereditárias. Mais ainda: se um grupo delas tem este caráter, seguramente todas terão.

Por outro lado, a falta de uma definição inteligência aceite com generalidade supõe um sério inconveniente visto que realmente considero que há muitas formas de abordar este conceito. Ainda assim, uma forma de evitar esta discussão bizantina é inverter o conceito para que se ajuste aos fins gerais do estudo.

Referir-nos-emos à inteligência como o conjunto de faculdades que medem as comumente denominadas provas de inteligência.

4.c.3. Variável continua

A inteligência é uma variável de natureza continua, o que dificulta a análise quantitativa da sua hereditariedade.

Normalmente, os estudos realizados sobre variáveis contínuas baseiam-se no tratamento das mesmas como soma de variáveis discretas mais elementares. Há que ter em conta, que em geral, a mudança de variáveis contínuas não é facilmente compatível com a ideia de mudança por mutações aleatórias.

A inteligência pode entender-se como soma de funções relacionais como em cima / em baixo, maior / menor, geral / particular, etc. Se é certo que o aparecimento de uma nova relação poderia entender-se por causas aleatórias, a melhoria ou maior precisão de uma relação existente pode resultar incompreensível que se possa produzir de forma similar.

4.c.4. Provas de inteligência

Na medição destas capacidades com provas de inteligência encontramo-nos com um grande problema derivado do fato de que a expressão das mesmas está muito influenciada pelo momento em que se realizam.

O cansaço, o estado de humor e outros múltiplos fatores podem afetar significativamente a sua expressão de um dia para o outro ou entre o começo e o final de um mesmo dia.

O segundo grande problema é que cada medição concreta utiliza um teste de inteligência específico e particular e que os resultados podem variar em grande medida em função de se o indivíduo realizou um teste de inteligência semelhante anteriormente ou pela maior ou menor simpatia ou afinidade cultural com o mesmo, ainda que se estiver bem desenhado este aspecto deveria ser bastante reduzido.

Nos dados utilizados do estudo longitudinal para análise estatística incluída no anexo, as correlações entre as diferentes medições de cada filho são muito baixas. O máximo é 33% a pesar de serem medições sobre as mesmas pessoas.

Uma conclusão simples seria pensar que estas capacidades não são estáveis ao longo da vida e que se encontram muito influenciadas pelo meio ambiente. No entanto, alguns peritos opinam que existe uma grande estabilidade das capacidades ao longo da vida, especialmente a partir dos 6 anos.

Por seu lado, a linguagem, como expressão do inconsciente coletivo, claramente opina que a inteligência é uma qualidade fixa visto que utiliza o verbo ser e não o verbo estar em expressões como “Essa pessoa é muito inteligente”.