6.b.2. Problemas genéticos

  • Limitações funcionais.

Apesar de outros objetivos alcançados, até agora não se baixaram as correlações de W de forma satisfatória.

Definitivamente é necessário algo importante ou relevante que baixe as correlações suficientemente, por isso, depois de lhe dar umas quantas voltas, introduzi o que denomino limitações funcionais devidas a causas diversas, entre as que se podem destacar problemas genéticos nos mecanismos iniciais do desenvolvimento.

Para situá-lo em algum momento, depois da combinação genética mendeliana e do filtro de afinidade podemos supor que existe algo assim como acidentes ou problemas genéticos que diminuem em 30 pontos os coeficientes de inteligência esperados. Realizou-se uma análise de sensibilidade deste parâmetro quantitativo associado a problemas hereditários para determinar que a referida quantidade é a que melhores ajustes produz.

Logicamente, por limitações derivadas de problemas genéticos prévios que não se reproduzam há que incluir subidas repentinas da metade de 30 com a mesma probabilidade de ocorrência. Digo metade pelo efeito da significância dos diferentes potenciais e a sua mudança para coeficientes finais.

Por outro lado, estas limitações funcionais ou problemas genéticos já estavam previstos no modelo de evolução da Teoria Geral da Evolução Condicionada da Vida, ainda que por simplificação expositiva e falta de concreção não se tinha feito especial menção às mesmas. Se apareciam com toda a claridade, pelo contrário, na simulação da teoria da evolução realizada no programa grátis de bilhar Esnuka (1991)

Nas suas instruções diz-se: “O círculo negro ou branco no centro da bola representa o número de faltas cometidas pelos jogadores e pelos genes são portadores dos mesmos, portanto podem mudar com os processos evolutivos. Da mesma forma, representam a probabilidade de acidentes genéticos nos citados processos, acidente que, em caso de ocorrer, significará situar-se no escalão mais baixo da escala utilizada”.

De acordo com o programa Esnuka e com as provas estatísticas realizadas, estas limitações devidas a que existem problemas genéticos aparecerão uma em cada cinco vezes no sentido negativo e também uma de cada cinco vezes aparecerão em sentido positivo, mas com metade da intensidade.

Corredor escuro (Imagem de domínio público)
Corredor escuro

A explicação da existência destas limitações funcionais ou problemas de genética pode ser de diversa natureza, entre as possíveis causas podemos citar as seguintes:

  • É provável que algumas das funções integrantes da inteligência não se encontrem no mesmo cromossoma que o resto e, consequentemente, segam uma combinação mendeliana diferente, provocando descontinuidades adicionais na determinação final do potencial intelectual.

  • Para o desenvolvimento do novo ser são necessários materiais específicos, nem todos possuímos a mesma capacidade de produção de determinadas proteínas, a falta de algumas delas pode provocar que a informação genética não chegue a desenvolver-se afetando os mecanismos dos algoritmos genéticos naturais; de novo esta circunstância poderia provocar saltos ou descontinuidades em relação à transmissão da inteligência.

    pestes fatores fariam parte do desenvolvimento estrutural da inteligência e dos seus algoritmos genéticos naturais e nunca os classificaria como fatores meio ambientais em sentido estrito. Por outras palavras, a tecnologia de materiais, como tal, é de natureza genética, o cenário é outro se se dispõe dos elementos necessários em cada momento, mas normalmente não será este o problema pela própria otimização da evolução.

    Enfim, todo o bom contabilista há-de contar com uma caixa onde cabe tudo.

  • Complementaridade com memória.

  • Acidentes genéticos ou problemas genéticos em sentido amplo, ou seja, incluiriam as precauções previstas para casos especiais de certos riscos.

  • Paternidade real!

  • Meio ambiente.Supõe-se que alguma influencia terá. Por pequena que seja!

  • ...

De outro ponto de vista, poderia dizer-se que o efeito das limitações funcionais ou problemas genéticos, até certo ponto, seria semelhante ao que a linguagem popular denomina a ovelha negra da família.

O gráfico q560 mostra o resultado final do modelo, com a inclusão de problemas genéticos, ajustado com a média de 10 variáveis W, a bondade do ajuste pode apreciar-se na imprecisão visual e pela quantia do ICMW (16,85) que se conseguiu baixar a níveis do ICMG (15,61).

No final, conseguiu-se que a variável W não se possa distinguir das variáveis de dados estatísticos de coeficientes de inteligência observados no estudo longitudinal.