Molwickpedia online
 

María José T. Molina

Teoria da Equivalência Global

A LEI DA GRAVIDADE GLOBAL

Conceito e definição de energia em física

A definição de energia em física é a capacidade para realizar um trabalho, um conceito de energia mais geral e uma definição de energia mais apropriada seria a capacidade para produzir movimento.

3. A ENERGIA

3.a) Conceito e definição de energia

A definição de força que adotamos é a da manifestação de um ponto no espaço de qualquer tipo de energia, isto é, a força é a energia onde esta se manifesta. O problema da definição do conceito de força deslocou-se para a definição de energia.

Segundo a Wikipédia a definição de energia em física é a capacidade para realizar um trabalho. Além disso, existem definições ou conceitos de energia dependendo dos ramos da Física Clássica, Física Relativista ou Mecânica Quântica em que nos encontremos.

NASA - Matéria bariónica visível
(Imagem de domínio público)  NASA - Matéria bariónica visível

Uma questão importante dentro dos comentários da Wikipédia sobre o conceito de energia, com o qual estou totalmente de acordo em princípio, é a que defende que a energia não é uma substância intangível nem um sistema físico real, mas sim uma propriedade dos referidos sistemas físicos. O problema da ciência moderna é que as definições clássicas não se mantêm porque não se ajustam ao avanço do conhecimento científico e como não existe um modelo alternativo acabam por se desvirtuar.

Num contexto em que aparecem novas dimensões e a realidade depende do observador, a mim custa-me saber o que são os sistemas físicos e quais são os sistemas abstratos, imaginários ou inclusivamente psicológicos.

Talvez fique mais claro dizer que a energia é uma propriedade de Globus ou estrutura reticular da matéria de todo o universo.

Outro aspecto de que gosto é que a Wikipédia assinala que as diversas acepções, ideias ou definições de energia estão relacionadas com a capacidade de produzir movimento.

Para a Dinâmica Global uma definição de energia apropriada seria precisamente a capacidade para produzir movimento. Em primeiro lugar, porque não desloca o problema do conceito de energia para outra magnitude como a menos intuitiva definição de trabalho e, em segundo lugar, porque tanto o novo conceito de energia como a sua manifestação pontual ou força estão próximos do conceito de movimento.

Se a força é a manifestação pontual da energia, a soma das forças ao longo dos pontos de uma deslocação será precisamente a energia, que coincide com a definição de trabalho em física. Assim, o conceito de trabalho em física seria a manifestação da energia que provocou uma deslocação da matéria em sentido amplo ou de uma das suas qualidades ou propriedades que podem provocar uma deslocação.

O objetivo é conseguir uma definição de energia que seja geral, ainda que possa ser modulada para determinados casos particulares, e evitar ter que mudar o conceito de energia quando o modelo físico não se limita à superfície da Terra, ao sistema Solar ou aos corpos com massa, para dar alguns exemplos.

Não obstante, a nova definição de energia não está isenta de problemas, por estar relacionada com o movimento terá que adequar-se a cada um dos tipos de movimento da Dinâmica Global. Dedicarei o seguinte apartado a examinar os tipos de energia para comprovar que se continua cumprindo a ideia de que a energia não se cria nem se destrói, só se transforma.

Depois, aprofundaremos a análise da energia cinética, a energia potencial gravitacional e a energia mecânica, tendo em conta as suas relações com o efeito Merlim.

Energia = massa * aceleração * espaço  [ ¿ ]

O principal problema do conceito de energia são as suas dimensões físicas, pois considero que a energia necessária para manter a aceleração de uma massa ao longo de um espaço depende da situação inicial e orientação espacial do movimento em relação ao sistema natural de referências.

Dito de outra forma, as dimensões atuais do conceito de energia não nos permitem definir uma unidade de energia única ou objetiva. Deve acrescentar-se o contexto físico às dimensões atuais. Em princípio, o referido contexto da situação inicial deve incluir ao menos as condições de gravidade e velocidade ou, melhor ainda, uma situação física em repouso dentro do seu sistema ou marco de referência natural ou privilegiado.

é exatamente o mesmo problema com a definição de tempo, a definição do segundo como unidade de tempo não é relativa por não fixar as condições de gravidade e velocidade do átomo de Césio usado.

O problema com as dimensões não foi colocado pela Dinâmica Global, já a Mecânica Relativista mostrou que a segunda Lei de Newton ou Lei de Força de Newton não era exata, com o conceito de massa relativista. No entanto, a Relatividade Especial de Einstein, longe de resolver o problema piora-o, porque em vez de determinar um sistema privilegiado está fazendo o contrário, nega a existência de um sistema de referência privilegiado, depois fixa-o sem reconhecer a Relatividade General...

Além disso, a Física Relativista, em vez de fornecer uma unidade para o conceito de energia, acaba com todas as unidades de caráter objetivo do Sistema Internacional de Unidades (SI). E a massa deixa de existir por si só, pois depende do observador... Para compreender a inadequação do conceito no material da massa relativista pode-se consultar o livro online da Mecânica Global.

Usando novamente o exemplo da evolução do modelo físico como um puzzle, eu diria que, se a realidade física tivesse forma de ovo tridimensional, a Relatividade Geral conseguiria que parecesse um cubo com as suas contínuas transformações das unidades de quase todas as magnitudes, alterando com as mesmas as dimensões físicas. Por um lado, estabelecer o axioma da constância da velocidade da luz reduz uma dimensão e, em seguida, ao relativizar as unidades de espaço e tempo adiciona duas dimensões físicas.

É melhor não imaginar o que acontece à definição de energia se a massa não existe por si mesma e o espaço e o tempo são relativos. A Física Relativista poderá conseguir completar alguma parte do puzzle, mas com peças alteradas artificialmente será impossível completar o puzzle e a parte invisível da parte do puzzle estará um pouco desfigurada.

O que faz o outro grande ramo da Física Moderna, a Mecânica Quântica nas suas diversas ramificações, é utilizar probabilidades, pelo Princípio de Incerteza, dimensões adicionais e viagens no tempo para modular as peças e tentar colocar o puzzle. Mais, se alguma peça é demasiado rara, envia-se a mundos para lê-los...

O resultado de um modelo físico que se empenha em utilizar conceitos inapropriados de magnitudes essenciais, como a definição de energia, é que não chegará a completar o puzzle e que algumas peças ou partes do modelo serão incompatíveis entre si. Bem, pelo menos é o caso da Física Relativista e da Mecânica Quântica.

 

© 2009 Todos os direitos reservados