III. PSICOLOGIA EVOLUTIVA

As conclusões mais importantes encontram-se expostas no apartado correspondente ao estudo estatístico, referem-se fundamentalmente a temas de psicologia evolutiva e são as seguintes:

  • O caráter hereditário da inteligência relacional.

  • A significatividade do gene de menor potencial intelectual e a sua coerência com o conceito de inteligência condicional.

  • Funcionalidades importantes da diferenciação sexual.

  • A própria existência de uma evolução teleológica ou finalista.

A visão intuitiva do funcionamento do cérebro nos seus aspectos cognitivos é difícil de resumir por ter sido exposta de forma um tanto esquemática. De fato, o índice poderia ser um bom resumo dos conceitos tratados.

No entanto, queria sublinhar os seguintes pontos.

Psicologia geral.

  • Esperamos que a descrição efetuada sobre o funcionamento do cérebro, da inteligência e da memória lhes sirva para se compreenderem melhor a vocês mesmos e às pessoas que os rodeiam.

  • Ser algo mais conscientes dos nossos limites pode-nos ajudar a ser mais prudentes na fixação de determinados objetivos e a manter uma psicologia geral mais equilibrada.

  • As diferentes formas em que se desenvolve o processo de tomada de decisões individual pode explicar a aparente mudança de opinião individual que se produz em determinados casos. Em particular quando se leva a cabo de forma centralizada ou de forma democrática em relação às nossas próprias células ou conjunto das mesmas.

  • O conhecimento sobre o processo de tomada de decisões deveria implicar, em certo grau, um a auto-educação para evitar perdas de controlo da vontade.

  • Um pouco de humor nunca está mal, sobretudo quando dizemos que parece que não existimos desde um ponto de vista estritamente científico; que o ser humano, mais que um ser vivo propriamente dito, se configura como um sistema de impulso vital.

  • Em relação à natureza dual do ser humano e outros seres!, expõe-se o conceito de descontinuidade temporal da existência.

Psicologia educativa.

  • Dever-se-ia incrementar a tendência para utilizar a memória normal na medida do possível, pelo seu enorme potencial em comparação com a memória matemática.

    Atualmente, muitas pessoas pensam que o que há a fazer é praticar e exercitar a memória matemática para que se desenvolva plenamente.

  • Se as novas formulações são corretas e esta capacidade intelectual está configurada principalmente pelas condicionantes genéticas, dirigir os esforços dos estudantes para a memória matemática podia ser realmente contraproducente visto que gera muita tensão e evita a desejável utilização da memória normal e a compreensão dos seus limites.

  • Um elemento mais a ter em conta deve-se aos paralelismos funcionais entre os computadores e o cérebro humano.

    A mudança anterior em direção à utilização da memória normal pode apoiar-se na eficácia dos computadores e das comunicações que nos podem proporcionar uma grande quantidade de informação quase em tempo real. Já não teremos que memorizar tantos dados ao serem facilitados em maior quantidade e com maior rapidez pelos computadores.

    A educação deveria fomentar a capacidade das pessoas para o manejo e tratamento da grande quantidade de informação disponível.

  • Aceite a importância de dormir e dos sonhos no funcionamento da memória, dever-se-ia explicar a ideia suficientemente para que os estudantes não cometam o grave erro de substituir tempo de dormir por tempo de estudo.

    O mesmo raciocínio se pode aplicar a outro tipo de comportamentos que afeta de forma muito especial e temporal a capacidade de memorizar.

  • Os estudantes estarão especialmente interessados num maior conhecimento dos métodos que utiliza o gestor da memória para uma maior educação dos seus hábitos de estudo.

Evolução do cérebro humano

  • Se o paralelismo entre computadores e cérebro obedece a causas profundas, uma curiosa consequência seria o confronto das teses atuais de evolução por mutações aleatórias com a ideia de que um “computador” tão perfeito como o cérebro.

  • Da mesma forma, a evolução dos computadores recorda-nos uma das propostas da Teoria Geral da Evolução Condicionada da Vida. O mesmo paralelismo conduzir-nos-ia a reconsiderar o diferente papel dos sexos no processo evolutivo, dado que as fêmeas parece que não modificam os genes desde a sua precoce formação, poderíamos deparar-nos com que elas se tenham especializado no que podemos denominar hardware e os machos, pelo contrário, no software; ambos, como todos sabemos, inter-relacionados e de uma importância semelhante.

  • A quantidade de interrogações que coloca esta visão das funções cognitivas do cérebro: São os genes a expressão mais comprimida da nossa memória? Existe no corpo humano algo parecido a um compilador e onde se encontraria? Quando se atualiza a informação genética a transmitir? Porque é que se limpa a memória a curto prazo nas relações sexuais? Em que percentagem se modifica a informação genética em cada geração?

    Neste sentido, poderia existir um mecanismo especial de compressão e codificação da informação genética para a sua múltipla transmissão, uma vez modificada pelo subsistema da informação genética da memória.

  • Finalmente, propor como definição de inteligência artificial o sistema de decisões de uma máquina, criada ou não pelo ser humano, que mostre certa inteligência, ao menos aparentemente, e que tenha as características de um sistema de impulso vital.

 

 

* * *

 

 

Quando Globus acabou o livro,
recebeu do futuro
uma ressonância holhológica transversal
do para-cerebellum de Darwinoutro,
enviada por sua amiga Mª José.

PARA-CEREBELLUM Para-cerebellum