1.d.4. O Sol, o campo magnético da Terra e outros planetas

Uma pequena implicação derivada do que se explicou no livro da Mecânica Global relação ao campo gravito-magnético –sem a conotação relativista– criado pela estrutura de massa do núcleo atômico e a criação da massa do elétron é a geração de um campo magnético pela massa da Terra e dos restantes planetas com rotação.

De acordo com a Wikipédia, o campo magnético da Terra explica-se pela existência de ferro fundido no seu interior e o efeito Coriolis. Se bem não se considera que esteja totalmente comprovado. Volto a recordar o caráter especulativo dos fenômenos observados devido à falta de uma teoria Astrofísica geral.

Em seguida oferece-se uma possível explicação do campo magnético da Terra e, ao mesmo tempo, que o fato que o campo de gravidade acompanhem a Terra é a base física da interpretação da Física Global da clássica experiência de Michelson-Morley.

Vejamos os seguintes elementos relacionados com o campo magnético do Sol, da Terra e de outros planetas do universo.

  • O campo magnético do Sol.

    A Física Global explica o que são os campos magnéticos e como se formam as estrelas para depois passar a provocar a expansão do universo e emitir ondas eletromagnéticas enquanto se desfazem parcialmente com as reações de fusão nuclear.

    Consequentemente, o Sol e as estrelas com as suas mesmas características ou com uma elevada rotação terão um campo magnético elevadíssimo.

    Por outras palavras, o campo magnético do Sol e as estrelas luminosas não se deverão principalmente à sua composição interna, ferro ou outros elementos pesados, mas sim à sua rotação e às reações de fusão nuclear e emissão de fótons e partículas com carga.

  • Composição da Terra e outros planetas do Universo.

    A condutividade dos elementos químicos que fazem parte da composição da Terra e outros planetas será um fator importante na existência do campo magnético.

    Quando mais condutora for a composição da Terra e dos planetas, maior tenderá a ser o campo magnético provocado por outros fatores.

  • A rotação da Terra.

    O movimento de rotação dos planetas será o responsável direto pela criação do campo magnético da Terra.

    A rotação dos planetas através do efeito Coriolis provoca forças diferentes sobre os elementos da composição da Terra pela distinta localização espacial. Essas forças correspondem à força de gravidade como aceleração centrípeta e com a força da aceleração tangencial pelo movimento de rotação.

    A elasticidade perfeita do éter global acabará por ordenar o campo magnético em redor da Terra.

     

     

  • Campo magnético da Terra e outros planetas do Sistema Solar.

    Até hoje o campo magnético da Terra não está definitivamente explicado. A configuração espacial da estrutura atômica dá-nos uma pista.

    A análise precedente é um pouco clássica e incompleta. Se aprofundarmos o efeito sobre a estrutura reticular da matéria –éter global, gravitacional ou cinético– do movimento de rotação e formos conscientes de que as linhas de tensão gravitacional seguem a massa, podemos imaginar que a variação dessas linhas de força não pode ser totalmente homogênea, pelo que gerará certo campo magnético.

    Sistema Solar
    NASA (Imagem de domínio público)
    Sistema Solar NASA

    Independentemente da torção elástica do éter global na formação da massa, a Mecânica Global explica como a massa dos prótons e nêutrons no núcleo dos átomos aumenta o campo gravito-magnético por torção dos filamentos ou linhas do éter global, o mesmo indica sobre os quarks e outras partículas subatômicas.

    Esta torção produz-se porque os filamentos da estrutura reticular devem, ou fazer parte da massa das partículas elementares, ou circundar a massa das partículas; por outras palavras, a existência de numerosas partículas de massa em rotação distorce transversalmente a tensão da curvatura longitudinal do éter global também produzida pela massa, inclusivamente quando a massa no seu conjunto tem carga elétrica neutra.

    Por isso, inclusivamente uma estrela de nêutrons em rápida rotação produz um enorme campo magnético.

    • Experiência fácil de física.

      Algo parecido à diferença entre uma bola movendo-se entre lençóis ou muitas bolas movendo-se entre muitos lençóis muito juntos.

    • Experiência fácil de física.

      Se se passam cordas entre um conjunto de bolas, gudes ou bolas de tênis poderá observar-se como as cordas adquirem certo giro pelas formas geométricas que adotam as cordas entre as bolas.

      Recorde-se que o giro das linhas de tensão da estrutura reticular é o que a Mecânica Global denomina campo magnético.

    Claro que existem outras características ou fatores que influenciam o campo magnético da Terra; por exemplo, a explicação mais generalizada de elementos metálicos no interior da Terra, que ao ser cargas em movimento geram um campo magnético.

    Por outro lado, as correntes elétricas internas talvez sejam provocadas pelo campo magnético da Terra e não ao contrário.

    Uma nota importante é que a bolha denominada magnetosfera, criada pelo campo magnético da Terra, aproxima-se da superfície terrestre nos polos magnéticos, aspecto que é coerente tanto com a explicação clássica como com a nova proposta; pois os polos magnéticos estão muito próximos do eixo de giro de rotação.

    De fato, as duas explicações são complementares.

    Pelo contrário, o efeito Coriolis é menor no Equador.

    Aurora de Saturno
    NASA (Imagem de domínio público)
    Aurora de Saturno - NASA

    Uma ideia ainda mais ousada seria pensar que o efeito do campo magnético terrestre provoque um pequeno alinhamento adicional das partículas elementares terrestres; o que, com o passar do tempo, poderia produzir um efeito mola na mudança de polaridade do campo magnético da Terra. Ideia de que gosto, mas que penso que tem poucas possibilidades de ser correta ou completa.

    O planeta Júpiter tem um campo magnético dez vezes superior à Terra, apesar de não ter tanto ferro como na composição da Terra.

    Outro planeta com grande campo magnético é Saturno, a composição de Saturno é parecida à de Júpiter, principalmente hidrogênio e hélio. Assim que não parece que a presença de ferro ou materiais pesados na composição da Terra seja tão determinante por si mesma para o campo magnético.

    As características do planeta Saturno são de 10 horas para uma rotação e tem uma massa 95 vezes maior que a Terra, com uma densidade inferior à da água.

    O hidrogênio de Saturno e de Júpiter denomina-se hidrogênio metálico, dado que ao estar muito comprimido se comporta como um grande condutor. A denominação deve-se a que os metais são grandes condutores de elétrons.

    O potente campo magnético de Saturno parece ser o responsável do seu bonito anel.

  • Base física da nova interpretação da experiência de Michelson-Morley.

    Outro fenômeno de grande importância na Física Moderna relacionado com a variação do éter luminoso –campo da gravidade ou tensão da curvatura longitudinal do éter global– pelo movimento de rotação da Terra –efeito de Lense-Thirring apenas para energia eletromagnética–, é a explicação imediata da experiência de Michelson-Morley, sem necessidade de éter clássico nem de relativizar o tempo; ou seja, a explicação proporcionada pela Física Global, exposta em detalhe no livro de la Teoria da Relatividade, Elementos e Crítica.

Também não é de estranhar que se as bolas negras e as estrelas têm algumas das características típicas das partículas elementares por ser uma agregação das mesmas, a Terra tente uma limitada imitação.

 

 

 

* * *