1.a) Forças fundamentais e princípios filosóficos

Antes de fazer uma descrição das forças fundamentais da matéria na Física Global vamos expor concisamente os princípios filosóficos da Astrofísica Global.

Estes princípios têm que se entender como adicionais aos mencionados na página Princípios de física do livro da Mecânica Global. Por exemplo, tanto o tempo como o espaço têm que entender-se como variáveis conceptuais de natureza absoluta.

Estes princípios filosóficos seriam os seguintes:

  • Universo infinito.

    Universo sem limites conhecidos, tanto no pequeno como no grande.

    O conceito de elasticidade implica a existência de partes internas com distintas forças ou energias num objeto; essas partes também devem ter a propriedade de elasticidade. Argumento que, aplicado de forma recursiva, nos oferece a ideia intuitiva de universo infinito até ao pequeno.

    Em relação à extensão do universo indicar que não se conhecem os seus limites; a única coisa que parece clara é que houve uma grande explosão que deu origem à parte do universo em que vivemos ou universo local. E não há nenhum motivo para pensar que antes da grande explosão não havia nada ou de que para além do nosso universo local não continue a existir mais do mesmo.

  • Universo eterno.

    Não tem sentido uma origem do universo do nada ou super singularidade quântica.

    A Teoria do Big Bang como origem do universo inteiro soa-me a uma mistura de ciência e religião ou criacionismo científico. Mais ainda, que algo saia do nada não me parece nada científico!

    A assunção de uma não origem nem final do universo levam-nos a procurar alternativas com processos mais ou menos cíclicos a grande escala.

Sejam certos ou não, a vantagem de estes dois novos princípios é que situa o cérebro numa perspectiva científica; aspeto que parece que faz bastante falta à Física Teórica ultimamente.

Nébula Tarântula
Estrelas novas - NASA (Imagem de domínio público)
NASA-Nébula Tarântula

O Princípio de Conservação Global, já incluído anteriormente, representa as duas ideias anteriores; pois existirá uma relação de transformação e equivalência tanto entre o microscópico e o macroscópico como entre dois momentos de um sistema fechado. Logicamente, o universo inteiro é um sistema fechado por definição.

Voltando ao tema das forças fundamentais da matéria, note-se que a Física Moderna, das forças mencionadas no apartado anterior, só conhece as cinco últimas de forma superficial e um tanto confusa.

A Física Moderna vê o campo de gravidade como um campo puramente matemático e a energia eletromagnética como o nada viajando no nada. Por seu lado, a Mecânica Quântica está tentando descobrir o que são essas forças de deformação reversível e a sua retenção; ou seja, bóson de Higgs sim, bóson de Higgs não. Enfim, esperemos que se resolva rapidamente a incompatibilidade da Teoria da Relatividade com a Mecânica Quântica.

Em qualquer caso, o substancial é analisar o equilíbrio dinâmico que se produzirá entre todas as forças fundamentais e a importância de cada uma delas em função da escala espacial e temporal do processo objeto de estudo e das suas condições particulares.

A Física Global define as forças fundamentais da natureza como propriedades da inquebrável estrutura reticular da matéria – éter global, gravitacional ou cinético. Dada a inexistência do éter global na Física Moderna, para além das três forças fundamentais da mesma, ou quatro se se considerarem separadas a energia eletromagnética e a força nuclear fraca, aparecem novas forças fundamentais relacionadas com as propriedades mecânicas do éter global e o seu movimento.

Vejamos agora uma recapitulação das ideias contidas no livro da Mecânica Global e algumas considerações sobre as principais características do éter global ou forças fundamentais da matéria.

  • Tensão longitudinal dos filamentos.

    Esta força fundamental da matéria não foi quase mencionada nos livros anteriores por se referir a forças conhecidas como a gravidade, o eletromagnetismo ou a formação da massa.

    Contudo, em Astrofísica pode ter um papel muito importante. Se a compreensão de éter global na criação de massa dos átomos e partículas ou buracos negros provoca um encolhimento local do éter global, produzir-se-á um alargamento dos filamentos para cobrir o mesmo espaço circundante.

    Além disso, as estrelas com sua perda de massa e emissão de energia eletromagnética pode causar expansão do éter global.

    Este processo de expansão e contração do éter global poderia explicar o efeito de lentes gravitacionais sem massa aparente e a mesma velocidade de rotação das estrelas.

  • Deslocação do éter global (Movimento da tensão longitudinal - Efeito arrasto da massa)

    Como se comentou, os mecanismos de formação da massa ou interação negra ou a sua destruição, interação branca, produzirão também variações na tensão longitudinal.

    A mudança na tensão longitudinal dos filamentos do éter global provocará uma tendência a grande escala para equilibrar a referida tensão longitudinal do éter global, como qualquer outra rede elástica, mediante deslocação da mesma.

    As referidas deslocações do éter global afetarão a velocidade da luz e da massa via efeito arrasto, como se menciona na página Tipos de movimento do livro da Física e Dinâmica Global.

    Estas deslocações do éter global podem corresponder às ondas gravitacionais recentemente descobertos.

    Por outro lado, não só as interações negra e branca produzem alargamento ou encolhimento dos filamentos do éter global, mas também a emissão ou absorção da energia eletromagnética.

  • Tensão da curvatura longitudinal dos filamentos do éter global (Campo de gravidade)

    Esta tensão é a responsável pelo campo de gravidade e da interação gravitacional. Ver a página A gravidade como estado de agregação da matéria do livro da Mecânica Global e o livro sobre a Lei da Gravidade Global.

    A Mecânica Global defende que a energia eletromagnética é formada por ondas transversais sobre a tensão da curvatura longitudinal dos filamentos do éter global, considerada como um meio não dispersivo. Consequentemente, se muda a sua tensão, então a velocidade da luz seria afetada.

    Da mesma forma poderiam ser afetadas a Constante de Planck e a Constante de Gravitação Universal de Newton. Não obstante, como é fácil imaginar não vejo este tema tão claramente.

    Por exemplo, parece que se os filamentos ou cordas estão mais tensos, a força da gravidade devida à tensão da curvatura longitudinal deveria ser maior para uma mesma distância de cálculo, mas talvez essa mesma maior tensão faça com que o equilíbrio de forças internas e externas dos prótons e nêutrons se produza com um tamanho menor dos mesmos; e, portanto, a força da gravidade ou tensão da curvatura longitudinal poderia ser a mesma para uma distância dada. Ou seja, maior tensão longitudinal, mas menor curvatura dos filamentos.

    Demasiadas especulações! Somente experimentos reais nos ilumine.

  • Movimento da tensão da curvatura longitudinal (Efeitos de arrasto sobre a energia eletromagnética)

    Há que distinguir entre o movimento do éter global e o movimento da tensão da curvatura longitudinal da mesma. Na realidade, o suporte físico da energia eletromagnética não é o éter global, mas sim o campo de gravidade -éter luminoso.

    Um exemplo simples explica esta ideia. O campo de gravidade terrestre ou tensão da curvatura longitudinal mencionada acompanha a Terra na sua volta ao Sol enquanto que o éter global não segue a sua deslocação.

    No campo de gravidade, para além de gerar a força de gravidade tem, se se está a mexer, efeitos de arrasto sobre a energia eletromagnética.

    Outro exemplo intuitivo de arrasto poderia ser das ondas sonoras enquanto viajam montado ondas eletromagnéticas.

  • Tensão transversal dos filamentos do éter global (Campo eletromagnético)

    Normalmente, obedece ao seguinte ponto, mas, como seus antecessores, deve separá-los.

  • Alterações da tensão transversal dos filamentos (Energia eletromagnética)

    Esta força fundamental da matéria é a conhecida energia eletromagnética; contudo, complica-se quando se confunde com o campo eletromagnético, pois não é necessária a existência de fótons ou elétrons para a sua existência. De fato, a casualidade inversa dá lugar à criação dos elétrons, como se explica nas páginas sobre a teoria do átomo no livro da Mecânica Global.

    Em qualquer caso, também é certo que a existência de fótons e elétrons provoca o campo eletromagnético. No caso dos fótons pela sua própria natureza de onda transversal e no dos elétrons porque supõem uma dobra do éter global que tem um ponto ou nível de energia mínimo por debaixo do qual não se desfazem e provocam alterações na configuração espacial do éter global.

  • Tensão de deformação ou compressão reversível do éter global (Criação de massa - Interação branca e negra)

    O livro da Mecânica Global explica os mecanismos de formação de partículas com massa física, ou interação negra, como a transformação da tensão transversal dos filamentos do éter global em tensão da curvatura longitudinal e em tensão de deformação ou compressão reversível do éter global.

    Forças fundamentais da matéria
    Interação negra(Imagem de domínio público)
    Interação negra

    Essa interação provocará um encolhimento do éter global pela compressão ou compactação da energia eletromagnética.

    O mecanismo oposto ou interação branca produzirá um alongamento do éter global e libertará de novo a energia eletromagnética.

    É uma manifestação da conhecida equivalência entre energia e massa. Ele irá incluir qualquer partícula com massa, tais como elétrons ou núcleos.

    A deformação ou compressão reversível de éter global pode incluir, se necessário, as dobras longitudinais.

  • Forças de retenção pelas retículas do éter global (Forças nucleares e confinamento ou liberdade assintótica)

    Como se diz no livro da Mecânica Global, a ideia a ressaltar é que a força nuclear forte é composta por duas forças contrapostas em equilíbrio, a força forte interna e a externa.

    NOTÍCIAS DE FÍSICA

    “Los quarks parecen prisioneros eternos confinados dentro de los protones.

    Es como si estuvieran sujetos con una goma (los gluones), que resulta más y más difícil estirar cuanto más tensa está. Pero a partir de un momento, a muy alta temperatura, la goma se rompe y esas partículas elementales, en libertad, forman la famosa sopa, explica Pajares. ¿Cómo? ¿Por qué? ¿Qué reglas rigen esa transición y sus propiedades? Este es el terreno de los físicos de Alice.

    El País 18-09-2012

    A força forte é determinada pela elasticidade dos filamentos da retícula tridimensional –confinamento.

    A força forte interna será a tendência dos anéis do éter global ao desfazer-se, comentada no ponto anterior.

Um novo aspecto da Física Global é a integração da energia cinética nas forças fundamentais relacionados com a massa.

Seguramente aparecerão mais forças fundamentais à medida que se vão conhecendo outras características da matéria, como poderiam ser certos limites físicos das forças comentadas e os processos aos que dão lugar.

Além disso, o próprio conhecimento dos processos físicos e as suas equivalências unificam as forças fundamentais; como faz a Física Global ao unificar num só campo de natureza material todas as forças mediante as suas distintas propriedades elásticas.